quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Nesta Semana, no Programa Escola de Profetas...


 

Uma autora escreveu recentemente que "a função das férias é quebrar a rotina de trabalho, fazendo com que o funcionário se descontraia e se revigore". Cabe aqui um pensamento: não será melhor quebrar a rotina do trabalho, de nossas atividades de uma maneira geral, no nosso dia-a-dia, para nos descontrair e revigorar? Somos totalmente partidários a estar em "estado" de férias todos os dias, ou seja, felizes com o que fazemos, nos descontraindo, nos revigorando, quebrando a rotina, buscando novos caminhos, e principalmente aprendendo a falar NÃO.

Não para os excessos, sejam eles quais forem, inclusive aqueles que levam a um excesso de informação e comunicação exacerbada. Uma distribuição adequada do nosso tempo em atividades alinhadas com as nossas motivações internas certamente minimizará o nosso estresse, seja ele qual for.

É necessário ter tempo e vontade para fazer um pouco de tudo que gostamos, além de trabalhar. Dormir bem, comer bem, conhecer novos lugares e pessoas, dançar, tirar fotos, cortar grama, consertar coisas, pescar, namorar, visitar amigos e parentes; enfim, se divertir, pode ser feito sem a necessidade de férias programadas. Como também não pode ser considerado algo errado se no meio das férias você tiver contato com o trabalho, se você gosta do que faz. É fundamental acharmos o nosso ponto de equilíbrio, que varia de pessoa para pessoa. É tempo de mudarmos o pensamento "trabalho ou férias" para "trabalho e férias". Assim ficará mais fácil responder: "afinal, o que são férias?".

Assim, estamos chegando mais uma vez a um período bastante propício para refletirmos sobre o nosso desenvolvimento pessoal e profissional para os próximos anos. Hoje, mais do que nunca, o conhecimento envelhece com rapidez e é suscetível de um rápido desgaste. O aprendizado, que é a fonte da transformação pessoal contínua, passou a ser a mola mestra do nosso desenvolvimento contínuo. Nada mais importante para sobreviver e se diferenciar em um mundo corporativo marcado, cercado de mudanças constantes e exigentes de inovação, criatividade, liderança e flexibilidade de seus executivos e profissionais.

A pessoa que não aprende continuamente e não é capaz de desenvolver, compartilhar, mobilizar, cultivar, praticar, rever e difundir conhecimentos não será capaz de encontrar um posto de trabalho com eficácia. Uma colocação que possa alinhar as tarefas com as suas motivações internas. Um emprego que permita se ter uma chance de trabalharmos com aquilo que gostamos e nos faz felizes.

Portanto, é fundamental identificar os conhecimentos essenciais, saber onde estão disponíveis neste mundo globalizado e planejar como poderão ser adquiridos de forma compatibilizada com o desenvolvimento pessoal e profissional. Por esse motivo, as férias são o momento ideal para aprender coisas novas de forma despreocupada e descontraída.

A experiência demonstra que as pessoas, quando brincam, aprendem com mais facilidade. Tal fato deve-se à espontaneidade de seus atos e à oportunidade de demonstrar o que sabem e o que não sabem sem o medo de errar. É também o melhor exercício para aumentar a interatividade entre o lado esquerdo do cérebro (razão, competição, lógica, linguagem verbal) e o lado direito (intuição, cooperação, imaginação, emoção, sensações). Tenha em mente que apenas 10% do que se lê, 20% do que se ouve, 30% do que se vê, 40% do que se vê e ouve e 90% do que se faz é lembrado.

A criatividade costuma melhorar fantasticamente quando começamos a lidar com experiências inusitadas. Saímos de velhos paradigmas e descobrimos novos mundos. Todas essas novas experiências atiçam o nosso desenvolvimento de forma holística, aprimorando o nosso saber, nossa cultura e, principalmente, a nossa alegria de viver. Para "aumentar a produtividade" nas férias, sugerimos quatro ações:
- conheça novos lugares;
- aprenda novos esportes;
- faça coisas que nunca fez antes;
- busque formas de exercitar sua criatividade.

Como se vê, não há nenhuma fórmula mágica, apenas a consciência e o esforço para mudar. Da mesma forma, não há regras em relação a cargos ou idade. Como disse Henry Ford: "Quem pára de aprender é velho, tanto aos 20 quanto aos 80 anos. Quem continua a aprender é jovem. A melhor coisa da vida é manter a mente jovem".

Postar um comentário