sábado, 11 de fevereiro de 2017

O Rio de Janeiro Continua Lindo...

Queridos e queridas, tenhamos todos uma boa noite de descanso... Chego ao final desse dia com um sentimento de gratidão no coração. Gratidão porque posso declarar que mais uma vez, Deus cumpriu suas promessas em nossas vidas... O Senhor guardou a cidade, o Senhor sarou a nossa terra mais um dia... Deus mostrou que Ele conhece os que são Seus... Gratidão no coração porque aprendi muitas coisas hoje...

1)  Aprendi que as promessas de Deus são maiores que os boatos. Elas se concretizam quando exercitamos a nossa fé. Incrível, como é mais fácil se deixar atemorizar do que proclamarmos as promessas de Deus. Em II Cr 20, lemos que Josafá teve medo ao receber uma má noticia (que não era boato, era verdadeira), mas ele resolveu buscar ao Senhor. Nas últimas vinte e quatro horas ouvi a seguinte frase – mas é verdade!. Josafá sabia que era verdade, mas ele preferiu buscar ao Senhor;

2)  Aprendi que ainda que eu possa protestar, o meu foco de protesto tem que ser o correto. Certa vez vi um grupo de funcionários trabalhando com uma braçadeira preta atada no braço direito. Ao perguntar o que significava, me disseram que era um protesto contra as condições de trabalho. Outra vez no aeroporto, fui alvo de uma “operação padrão”. Perguntei o porquê – me informaram que era uma forma de protesto. Agora, entender que familiar vai impedir o parente policial de trabalhar, não consigo entender. Por que não vão acampar na porta da casa do Governador, ou na porta dos deputados que muitos deles elegeram? Tentar impedir a polícia de sair às ruas é algo tão mesquinho, que coloca a sociedade à mercê desse pânico generalizado que vivemos, que não justifica o protesto de ninguém...

3) Aprendi que uma vez que militar não pode fazer greve, quem tenta induzi-lo a isso é tão errado quanto. A porta dos batalhões jamais deveria ser então local de protesto, nem manifestação de qualquer natureza... Deixa o PM trabalhar... Quer protestat? Faça o de maneira legitima. Quem quer orar vai orar na Igreja, no seu quarto em secreto, não se juntando a quem faz um protesto infundado e egoísta...

4) Aprendi que uma sociedade que se vale da falta da polícia para saquear lojas é tão criminosa quanto aquele que empunha uma arma e rouba um carro... Se a polícia é que impede o cidadão de ser criminoso, vejo que falta caráter à sociedade.

  5) Aprendi que muitos “movimentos” agem como a garota da música “Maladramente”, do MC Nandinho. Por exemplo, a PM do Espírito Santo quando viu que o que eles fizeram era crime de revolta, com pena de expulsão da corporação e prisão de 08 a 20 anos, resolveram, rapidinho, acabar com a manifestação... Ou seja, na hora de tomar madeirada, todo mundo meteu o pé para casa...
   
    6) Aprendi que vocação é vocação, e como em toda vocação, vamos encontrar gente boa e gente ruim. Ser militar é ser vocacionado para um bem maior, a segurança de um povo. Não dá para misturar vocação com dinheiro. Quando isso acontece é melhor abandonar a vocação.

Quem vai responder por todos os mortos no Espírito Santo nesta semana? Pelos saques e depredação ao patrimônio público e privado naquele Estado? Quem vai responder pelo sentimento de pânico gerado e alimentado no coração de milhares e milhares de fluminenses? Hoje me recordei que no final de Novembro do ano passado, algo semelhante aconteceu na Cidade Maravilhosa. Com a percepção de um Estado quebrado, gerou-se um quadro de insegurança,  com a disseminação de boatos que os comandos do tráfico tomariam conta do Rio de Janeiro... igualzinho aconteceu de quinta para sexta feira, de ontem para hoje... o resultado, graças a Deus, mais boato do que verdade.

E por fim, aprendi que segurança começa em casa... ensinemos nossos filhos a verdadeira educação, ensinemos nossos filhos no caminho que devem andar. Vençamos a corrupçãp que tenazmente nos assedia, nas pequenas coisas... E teremos uma sociedade mais segura, com certeza...  Mais uma vez, obrigado, Senhor. E que Ele nos abençoe...
Postar um comentário