domingo, 25 de outubro de 2009

A UNIDADE ORGÂNCIA DA IGREJA – A Aliança que nos dá vitória contra o Inimigo

O texto de 1 Co 12.12-27, que trata da unidade orgânica da Igreja, nos possibilita a compreensão de verdades essenciais para a transformação da nossa maneira de ser, pensar, falar e agir sobre este organismo vivo e espiritual no qual estamos inseridos, do qual fazemos parte.

1. Fomos todos batizados em um corpo (v. 13a)

Em termos orgânicos e espirituais, a Igreja não é formada de "corpos", antes, é um corpo formado de "membros". Os verdadeiros cristãos, independente de onde estejam, separados por barreiras denominacionais, doutrinárias, ideológicas, conceituais, geográficas, sociais ou qualquer outra, são membros "colocados" para dentro de um único corpo.

2. Bebemos todos de um só Espírito (v. 13b)

O Espírito é a fonte de onde emana vida espiritual. Pelo Espírito somos saciados e nutridos com a vida de Deus. Todo o corpo com os seus membros podem funcionar perfeitamente, pois não haverá escassez desta água renovadora. Todos podem beber, pois não há acepção de órgãos. Não privilégios apenas para alguns. A fonte é abundante e inesgotável.

3. Temos sentido de ser e fazer apenas na relação com o outro (v. 14-23)

A interdependência é a tônica que rege os órgãos do corpo. Um órgão não tem sentido sem o outro, pois só existe para servir, não é um mero adereço no corpo. Nenhum órgão subsiste naturalmente fora do corpo. Só no corpo ele "é", e apenas no corpo ele "faz", se realizando numa relação de reciprocidade de serviço e de utilidade. Ser órgão é ser "parte de", e não "ser em si".

4. Precisamos ter cuidado com o que pensamos e dizemos (v. 15, 16 e 21)

O pensamento precede a fala. A boca fala daquilo que o coração está cheio. A fala manifesta os segredos da alma. O fato de achar e dizer que não somos do corpo não nos tiram do corpo. Afirmar que não precisamos um outro, além de manifestar arrogância, revela também o nosso auto-engano. Precisamos sim um dos outros. Não podemos negar isto com ações ou palavras. Sozinhos não iremos longe. Sozinhos morreremos.

5. Contentemo-nos com a posição que ocupamos no corpo (v. 18 e 24)

É necessário saber que é Deus quem dispõem, coloca, coordena e concede lugares, funções e honras no corpo. Não é simplesmente uma escolha pessoal, antes, se trata de uma determinação soberana e graciosa. Soberana, pois tudo é de Deus, e graciosa, pois não é meritória, não é fruto de nossas obras ou méritos pessoais ocupar este ou aquele lugar, esta ou aquela função, receber esta ou aquela honra. Tudo é dele e para Ele.

6. Cuidemos uns dos outros com igual cuidado (v. 25)

É preciso entender que somos como membros do mesmo corpo, cuidadores. Cuidar implica em nutrir, suster, socorrer, ajudar, ouvir, apoiar e outras ações. Mas, não devemos apenas ser cuidadores. Precisamos cuidar de todos sem acepção, sem preferencialismo. É fazer o bem sem ver a quem. Trata-se de ação misericordiosa e desinteressada. Cuidar é amar. Cuidar é fazer o que deve ser feito, norteado pelos mais nobres sentimentos e objetivos.

7. Soframos com o sofrimento alheio (v. 26a)

A indiferença para com o sofrimento dos outros órgãos do corpo, por suas disfunções, enfermidades, carências ou doenças, não é uma atitude esperada ou desejada de quem está comprometido com o todo. Chorai com os que choram. Se coloque no lugar do outro. Tente perceber suas dores, medos, temores, ansiedades, angústias e frustrações.

8. Alegremo-nos com a alegria alheia (v. 26b)

A inveja, conceituada como "profunda tristeza com o sucesso, conquistas, vitórias, bênçãos e felicidade dos outros" pode impedir, de alegrarmo-nos com a alegria do no nosso irmão, do outro membro. Celebremos, festejemos, regozijemo-nos, alegremo-nos quantas vezes for necessário com a forma de Deus honrar o nosso próximo.

9. Tenhamos uma visão geral do corpo (v. 27a)

Uma visão geral nos possibilita uma compreensão macro da unidade, da comunhão, da interdependência, da grandeza, da beleza, da magnitude, da força, da vitalidade, do crescimento, da força, da inteireza de ser corpo de Cristo. Trata-se de uma visão onde o "eu" se funde com o "tu" formando um "nós".

10. Tenhamos uma visão sistêmica do corpo (v. 27b)

Tal visão nos proporciona uma percepção mais apurada e individualizada da multiplicidade de funções (multifuncionalidade) dos órgãos e membros, das suas particularidades, atribuições e interligações. Das nossas possibilidades de agregar valor ao corpo, e do valor que os demais membros agregam a este corpo.

Uma compreensão da unidade orgânica do corpo é vital para o seu próprio crescimento, para a manutenção de sua saúde e funcionalidade, tanto numa perspectiva do todo, como na perspectiva de cada membro deste corpo.

Cresçamos cada vez mais em unidade para a glória de Deus. Essa é a aliança que nos dá vitória contra Satanás e seus demônios.

Postar um comentário