quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

O MAIOR DESAFIO DO REI DAVI

Por Ioná Loureiro

Muitos pensam que o maior desafio que Davi enfrentou em sua vida foi o gigante Golias, poderoso guerreiro do exército filisteu. Penso, entretanto, que o maior desafio que Davi enfrentou foi lidar, cuidar e restaurar a identidade e o caráter de homens que se ajuntaram a ele na Caverna de Adulão. Homens que se achavam em aperto, endividados e com espíritos desgostosos, enfim, cerca de 400 homens. Esse, sem dúvida, foi o maior desafio de Davi.

Saber se relacionar com o próximo é um grande desafio. Davi soube muito bem se relacionar com aqueles homens amargurados. Às vezes, me ponho a imaginar as horas a fio que Davi passava conversando e ministrando aqueles homens. Posso imaginar o abraço caloroso de um amigo, posso imaginar as inúmeras palavras de incentivo, de ânimo que Davi depositou no coração daqueles homens. Posso imaginar a tamanha compreensão e paciência de Davi, em acreditar, em investir na vida daqueles homens. Posso imaginar quantos conflitos surgiram entre eles e quantas vezes Davi, com palavras sábias, repletas de amor, abrandou os ânimos, fazendo acalmar o coração. Tanto investimento, tanto amor, lhe rendeu um exército de valorosos e valentes guerreiros. Davi se relacionou tão profundamente com aqueles homens a ponto de se tornarem seus amigos, guerreiros dispostos a fazer qualquer coisa para honrá-lo e defendê-lo. Há, inclusive, praticamente um capítulo inteiro da Bíblia falando destes valentes guerreiros (II Sam. 23).

Creio que saber se relacionar com o próximo é um grande desafio, que todos devemos enfrentar com a ajuda do nosso Deus. Precisamos pedir ao Senhor que nos dê um coração, segundo o seu coração, para entender as pessoas que surgem em nossa caminhada. Pessoas que, muitas vezes, nos pedem ajuda, pessoas que, muitas vezes, precisam de apoio, precisam de restauração, de um abraço, de um sorriso, de uma palavra amiga. Pessoas que estão a procura de alguém que as ouça por um momento. Pessoas cansadas de julgamentos humanos, pessoas não compreendidas, excluídas que necessitam de alguém que as ame e que tenha disposição para tratar de suas feridas a fim de resgatar-lhes as suas identidades perdidas em meio aos tropeços e às desilusões que a vida lhes impuseram. Que Deus nos dê esse coração...

"O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes; A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado. E edificarão os lugares antigamente assolados, e restaurarão os anteriormente destruídos, e renovarão as cidades assoladas, destruídas de geração em geração" (Isaías 61:1-4)

Postar um comentário