terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Paixão pela Vida e pelo Trabalho

Tempos atrás me deparei com um pôster que continha o chamado “Manifest Holstee”, um desafio lançado pelos líderes da Holstee, empresa que promove o empreendedorismo, especialmente para pessoas que vivem em áreas de extrema pobreza, através de produtos que eles desenham e produzem. 

Talvez você já conheça essa intrigante declaração. Desde que a vimos pela primeira vez, minha esposa e eu a adotamos como se fosse nossa, porque diz essencialmente o que sempre acreditamos.

O Manifesto é muito extenso para ser apresentado na íntegra neste pequeno espaço, mas enfatiza a importância de ter paixão na vida. Eis alguns trechos: 

“Essa é sua vida. Faça o que ama e faça-o com frequência. Se você não gosta de alguma coisa, mude-a. Se não gosta do seu trabalho, peça demissão. Se não tem tempo suficiente, deixe de assistir televisão. Se está procurando o amor de sua vida, pare; ele estará esperando por você, quando você começar a fazer as coisas que ama fazer. A vida é curta: viva seu sonho e compartilhe sua paixão.”

Se você ainda não viu esse Manifesto, eu o encorajo a buscá-lo no Google. Engloba de maneira simples um modo de experimentar uma vida de realização, sem torná-la complicada. A declaração não menciona Deus ou espiritualidade, mas depois de lê-la e ponderar sobre o que diz, fiquei convencido que ela concorda com os princípios da Bíblia. Na verdade, uma expressão mais espiritual do Manifesto seria: “Não tente encontrar o plano de Deus para a sua vida; descubra o que  faz você vibrar, porque Deus quer pessoas vibrantes.”

O lendário cantor e compositor Bob Dylan disse: “Se você não estiver ocupado vivendo, estará ocupado morrendo.”  Em outras palavras, há mais na vida do que simplesmente existir.

Foi isso que descobri com o passar dos anos. Se não podemos ir atrás das coisas que amamos — coisas que nos entusiasmam e nos enchem de energia e motivação — estamos defraudando a nós mesmos. Cada um de nós foi criado com dons, talentos, habilidades e interesses únicos. A questão é como alavancar nossa singularidade e diferença, não apenas para alcançar autorrealização, mas também dar maior contribuição possível para o mundo que nos cerca. O conselho da Bíblia é: 

Deus em primeiro lugar. Deus criou cada um de nós dotado de uma mistura única de características que nos faz ser quem somos e o que fazemos. Conhecer Deus nos capacita a conhecer melhor a nós mesmos. “Confie no Senhor e faça o bem; assim você habitará na terra e desfrutará segurança. Deleite-se no Senhor e Ele atenderá aos desejos do seu coração” (Salmos 37.3-4). 

Deus como foco central. Uma vida realizada envolve não apenas o que fazemos, mas também porque o fazemos — nossos motivos. Não pode haver motivação maior que servir e honrar a Deus. “Tudo o que fizerem, seja em palavra ou em ação, façam-no em nome do Senhor Jesus, dando por meio Dele graças a Deus Pai” (Colossenses 3.17).

Por Jim Mathis

Próxima semana tem mais!


Postar um comentário