quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Fatos e Versões

Ao ler esse título, talvez você se lembre de um programa que vai ao ar no canal de notícias Globo News… Mas quero falar é de outra situação. Lembrei-me outro dia de um debate transmitido pela televisão entre dois candidatos à presidência da República. Ao final, jornalistas passaram a entrevistar pessoas que estavam no auditório assistindo ao vivo. O primeiro entrevistado apontou todas as virtudes do candidato "a" e como estava muito mais preparado. Em seguida, o próximo entrevistado traçou inúmeros elogios ao candidato "b" demonstrando como era superior. Mas quem realmente estava certo? O debate era o mesmo, mas as opiniões totalmente divergentes. O fato era o mesmo, mas as versões ao fato diferentes.

Cada vez estou mais convencido que, na vida, importam menos os fatos e mais a versão que damos a eles. Como conto a história da minha vida? Quais as ênfases da minha percepção? Como incluo Deus nestes relatos?

A Bíblia nos conta a história de José, filho de Jacó. Logo jovem foi vendido por seus irmãos como escravo e passou a servir assim no Egito. Os episódios de sua vida pareciam sempre revezes. Ora escravo, ora preso, estava muito distante dos sonhos de sua mocidade. As circunstâncias da vida, contudo, foram revertidas e finalmente foi colocado em uma posição de grande autoridade naquele país estrangeiro. Como Governador geral daquele país, chegou um dia onde seus irmãos, sem saber, curvaram-se diante dele para clamar por ajuda e comida. Aqueles mesmos irmãos que o haviam vendido estavam diante de alguém que tinha o poder de matá-los, vingando-se definitivamente da maldade da irmandade.

Quando finalmente ele se revela aos irmãos, estes passam a tremer de medo com a certeza que o fim tinha chegado e estariam condenados à vingança do maltratado. Pra surpresa de todos, José tinha uma versão diferente daqueles fatos todos de sua história. Disse José: "não se aflijam nem se recriminem por terem me vendido para cá, pois foi para salvar vidas que Deus me enviou adiante de vocês". (Gn 45.5)

Precisamos de líderes com uma versão sadia e cheia de esperança dos fatos que vivem. Líderes que enxerguem o mundo com a visão de Deus, libertos de rancores, mágoas, melindres e ressentimentos. Líderes com uma narrativa leve e confiante da vida que os cerca. Líderes que exalem fé na soberania absoluta do Espírito Santo de Deus sobre todos os fatos e acontecimentos.

Baseado em texto de Rodolfo Garcia Montosa

Postar um comentário