quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O Poder do "Nós"

Recentemente um amigo chamou minha atenção para um comentário que alguém fez na mídia social. Essa afirmação parece sintetizar o pensamento de muitas pessoas no mundo empresarial e profissional: “Estou trabalhando sozinho, por mim e para mim mesmo.”

Poucas simples palavras, mas que revelam uma disposição mental muito comum onde quer que estejamos. Na verdade, elas podem ser reduzidas a uma declaração ainda mais concisa e familiar: “Tudo gira em torno de mim mesmo.”  Todos nós já ouvimos sentimentos como esse expressos de muitas outras maneiras. Mas, e se mudássemos ligeiramente esta frase para ver que diferença pode fazer: “Tudo gira em torno de NÓS”?

Anos atrás, quando ainda era um jornalista inexperiente, aceitei um trabalho como editor assistente de um jornal de subúrbio. Durante meu tempo ali aprendi inúmeros princípios importantes, mas talvez nenhum tenha sido mais significativo do que aquele que eu chamo de “o poder do ‘nós’”. Um editor sênior estava me treinando para assumir posição de maior responsabilidade, portanto, eu observava atentamente a forma como ele abordava seu trabalho e interagia com a equipe de repórteres. Quando atribuía uma tarefa, ou discutia como um artigo deveria ser escrito ou revisado, ele sempre dizia coisas como, “Por que nós não fazemos assim ou assim...?”; ou então, “Como nós podemos alterar este parágrafo inicial?”  Ao invés do incisivo “você”, ele sempre usava “nós” para sublinhar a realidade de que estávamos trabalhando juntos, como equipe. 

Isso foi muito útil de diversas maneiras. Os membros da equipe sempre sentiram o apoio do editor sênior. Mesmo quando surgiam problemas, eles não se sentiam sós. O "nós estamos nisto juntos” , era a atitude prevalecente. Também eles eram lembrados que muito mais é realizado no trabalho conjunto que isoladamente. Este princípio é repetidamente enfatizado na Bíblia:

Temos papéis importantes. Ás vezes é difícil sentir o caráter “nós” do trabalho, quando os papéis desempenhados pelos outros parecem mais valorizados. Entretanto, quer nosso trabalho seja ou não visível, quer recebamos o aplauso público ou não, nossa contribuição é valiosa para a realização do objetivo como um todo. “O corpo é uma unidade, embora tenha muitos membros, e todos os membros, mesmo sendo muitos, formam um só corpo. Ora, vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo” (I Coríntios 12.12-17).

Realizamos mais trabalhando juntos. Você já percebeu que uma tarefa que aparentemente é insuperável se torna mais fácil quando alguém se junta a você para ajudá-lo a concluí-la? “É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas” (Eclesiastes 4.9).

Confrontando a oposição juntos. Quando as ruínas de Jerusalém estavam sendo reconstruídas milhares de anos atrás, os construtores compreenderam o princípio do “nós”, compartilhando tanto o trabalho quanto o desafio de rechaçar aqueles que se opunham à empreitada.  “Quando os nossos inimigos descobriam que sabíamos de tudo e que Deus tinha frustrado a sua trama, todos nós voltamos para o muro, cada um para o seu trabalho... Dessa maneira prosseguimos o trabalho com metade dos homens empunhando espadas desde o raiar da alvorada até o cair da tarde” (Neemias 4.15-21).

Faça uma experiência no seu ambiente de trabalho nesta semana. Ao invés de se concentrar no “eu”, foque no “nós” e veja o que acontece. 

Próxima semana tem mais!

Por Robert J. Tamasy


Postar um comentário