quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Como Você Lida Com a Ira?

De todas as emoções que exibimos e enfrentamos durante um típico dia de trabalho, a ira é provavelmente a mais comum. Existem muitas razões para isso, mas como não sou psicólogo, não vou especular sobre as causas. Mas podemos concordar que há muitas pessoas iradas no ambiente de trabalho. Talvez você seja uma delas.

Prazos irracionais, pressões, metas não cumpridas, expectativas não alcançadas, conflitos com colegas de trabalho, especialmente aqueles cujas personalidades não se afinam com a nossa, suscitam nossa ira. Carregamos conflitos do lar para o trabalho e vice-versa, o que leva a inesperadas demonstrações de ira. Na maioria das ocasiões a exibição descontrolada de ira é prejudicial, causando danos difíceis de serem reparados. E como lidar com ela? Quando alguém esbarra no nosso balde emocional e a ira começa a derramar, o que podemos fazer? 

Recentemente li sobre um homem de negócios que pensou haver conseguido um contrato muito importante. Seria a maior transação da história de sua empresa. Mas antes que o acordo fosse formalizado, o cliente mudou de ideia e optou por outra empresa.

Ele ficou mais que desapontado: ferveu de ira e pensou em irromper no escritório do cliente e lhe dizer o quanto ele agiu mal. Se seus pensamentos irados fossem balas, muitos sairiam feridos. Entretanto, antes de seguir seus impulsos, tomou tempo para se acalmar e, por fim, decidiu permanecer quieto. Pensou que, embora essa demonstração emocional fosse catártica, ele não ganharia nada com ela.

Sendo a ira universal, a Bíblia tem muito a dizer sobre ela. Vejamos alguns exemplos: 

Resolva seus desentendimentos prontamente. Conflitos são normais, mas se permitirmos que a ira entre em ebulição, a magnitude da contenda irá além do justificável. “Quando vocês ficarem irados, não pequem. Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha” (Efésios 4.26).

Não deixe a ira virar amargura. Desentendimentos podem ser resolvidos, mas abrigar sentimentos irados leva à amargura, o que causa danos e destrói relacionamentos. “Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade” (Efésios 4.31). 

Ouvir, ao invés de falar, evita explosões de ira. Manter-se em silêncio e ouvir, ao invés de responder rápida e raivosamente quando provocado, é de grande ajuda. Às vezes ficamos irados simplesmente por não entender corretamente o que o outro está dizendo. Mesmo se discordarmos, discutir calmamente as diferenças é mais produtivo do que demonstrar ira. "Cada um esteja pronto para ouvir, mas demore para falar e ficar com raiva. Porque a raiva humana não produz o que Deus aprova” (Tiago 1.19-20).

Próxima semana tem mais!

Por Robert J. Tamasy

Postar um comentário