quarta-feira, 17 de julho de 2013

Quem Você Está Vestindo?

“Quem você está vestindo?” Isso não soa esquisito? E é, a menos que você seja uma celebridade caminhando sobre o famoso “tapete vermelho” antes de um grande evento de entretenimento como Academy Awards ou Grammy Awards. Só então entendemos que a pergunta significa “Quem desenhou o vestido (ou traje) que você está usando?” Em resposta recebemos uma lista de maravilhosos estilistas que são especialistas em fazer que as pessoas se mostrem elegantes, cobrindo suas imperfeições com belos trajes.

Esse não é um fenômeno recente. Na Renascença dispendiosos bailes de fantasia eram organizados com dignitários que se apresentavam com máscaras elaboradas e trajes ainda mais elaborados. A maioria compartilha do desejo comum de se cobrir com trajes que dissimulem sua verdadeira identidade. Mesmo heróis fictícios das histórias em quadrinhos, como o Super-Homem, Homem de Ferro, Homem Aranha ou Batman, usam fantasias. 

Vestir trajes e disfarces parece algo profundamente enraizado no psíquico coletivo. Crianças acham libertador brincar de “se disfarçar”.  Achamos divertido quando pessoas que conhecemos não nos reconhecem devido ao nosso vestuário. Lembro-me de trabalhar para uma empresa onde parte do meu trabalho consistia em vestir uma fantasia e apresentar-me em eventos públicos. Já que ninguém sabia que era eu, sentia-me capacitado a agir tolamente e sentir-me completamente livre.  

No ambiente de trabalho “fantasias” podem sustentar nossa necessidade de sermos bem-sucedidos. Anos atrás o livro, “Vista-se Para o Sucesso” foi campeão de vendas, aconselhando homens de negócios como escolher e usar roupas que poderiam melhorar a forma como colegas e clientes reagiriam a eles. Os padrões para um vestuário apropriado têm mudado muito, mas ainda tendemos a avaliar as pessoas de acordo com sua aparência exterior. 

Mesmo a Bíblia afirma isso em 1Samuel 16.7: “...O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração”.  

Essa passagem estabelece dois pontos importantes. Que podemos ser enganados pela forma como alguém se apresenta externamente, incapazes de conhecer seus motivos íntimos ou ouvir seus pensamentos secretos. Como diz o velho ditado, “Quem vê cara não vê coração.” O outro ponto é que, embora possamos nos disfarçar, Deus pode ver através de nossos “disfarces” e saber quem realmente somos. Provérbios 16.2 declara: “Você pode pensar que tudo o que faz é certo, mas o Senhor julga as suas intenções”.  

Porém, há ainda outro aspecto dessa pergunta, “Quem você está vestindo?”, que a maioria jamais leva em consideração. De acordo com as Escrituras, depois que morrermos, enfrentaremos o dia do julgamento, em que ouviremos uma pergunta similar. A Bíblia diz que não será suficiente dizer que vestimos “boas obras” ou “boas intenções”. Somente um traje será aceito. Deixe-me explicar.

Gálatas 3.26-28, declara: “Todos vocês são filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus, pois os que em Cristo foram batizados, de Cristo se revestiram. Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher, pois todos são um em Cristo Jesus.”  

Outro versículo nos diz: “Vocês foram ensinados a despir-se do velho homem... e a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade” (Gálatas 4:22-23).

Existem muitas outras passagens semelhantes, que afirmam que quando estivermos diante de Deus para nosso dia de julgamento individual, somente a cobertura de Cristo Jesus – as vestes que Ele fez para nós – receberão a aprovação divina. 

Nesse dia especial, quem você estará vestindo?  

Por Len M. Allen

Próxima semana tem mais!


Postar um comentário