segunda-feira, 30 de março de 2015

Abundância e Escassez

Há duas maneiras de se olhar para a economia e a vida, inclusive no trabalho: são as “teoria da abundância” e “teoria da escassez”.

A teoria da abundância diz que há uma quantidade infindável de recursos, criatividade e riqueza. Quanto mais fazemos para gerar riqueza, mais riqueza existe. Se alguém constrói uma casa, ela vale mais do que os materiais empregados na construção. O terreno também é mais valioso com uma casa sobre ele do que quando era terra nua. Além disso, os que trabalharam na construção ganharam dinheiro com o processo. E, por fim, o governo pode arrecadar mais impostos, dando mais empregos para policiais, bombeiros e funcionários públicos. Mais impostos deveriam significar mais escolas para que nossos filhos tenham uma educação melhor e possamos nos dar ao luxo de construir belas casas. 

Já a teoria da escassez presume que os recursos são limitados e finitos. Se uma pessoa consegue um emprego, outra perde o seu. Se alguém ganha pouco é porque outro ganha muito. Ela leva à ganância: “Eu já consegui o meu; pior para você.”  Os que acreditam nesta teoria entendem que existe quantidade limitada de postos de trabalho e que pessoas de outro país podem tirar seu emprego. 

(Existem muitas corporações com 10.000 pessoas ganhando U$10,00/hora e uma ganhando US10.000/hora. Esta não é uma questão de abundância versus escassez, mas sim uma questão ética. É assunto para outra vez).

Mas voltando à perspectiva abundância versus escassez, conclui-se que não importa em que teoria acreditemos, nós sempre estamos certos. É similar à ideia: “Quer pensemos que podemos, quer pensemos que não podemos, nós sempre estamos certos”. Se muitos  acreditarem em escassez, a espiral da economia gira para baixo. Se acreditarem em abundância, a economia cresce e o país prospera. 

Ao longo da história houve momentos em que uma ou outra teoria floresceu, e consequentemente as sociedades experimentaram períodos de depressão e fome, bem como de crescimento e prosperidade. Isto nos leva a um importante princípio bíblico. A Bíblia diz que generosidade é caminho certo para prosperidade, enquanto o entesouramento resulta em fracasso econômico. Veja a seguinte mostra de passagens extraídas do livro de Provérbios que confirmam essa realidade: 

“Há quem dê generosamente, e vê aumentar suas riquezas; outros retêm o que deveriam dar, e caem na pobreza. O generoso prosperará; quem dá alívio aos outros, alívio receberá” - Provérbios 11.24-25. 

“Quem despreza o próximo comete pecado, mas como é feliz quem trata com bondade os necessitados” - Provérbios 14:21. 

“Quem trata bem os pobres empresta ao Senhor, e Ele o recompensará” - Provérbios 19.17. 

Em meu papel como especialista em impostos, sei em primeira mão o que ocorre na economia. Observei, por exemplo, que quase todo mundo ganhou mais dinheiro em 2013 do que em 2012. Vi poucas declarações de desemprego. A economia está em ascensão e a teoria da abundância opera, apesar dos políticos e da mídia que querem empurrar a teoria da escassez.

Podemos escolher ser vítimas ou ser vitoriosos. Qual sua escolha? 

Por Jim Mathis - Próxima semana tem mais!


Postar um comentário