segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Escolha o Importante e Elimine o Resto

Por ter escolhido o ramo da fotografia profissional, há muitas coisas que aprecio nele. Entre elas, princípios que encontrei e que podem ser aplicados a outras áreas da vida, como por exemplo, o valor de reconhecer o que é importante.

Ainda jovem aprendi muito sobre fotografia apenas observando-as em revistas. Fui particularmente influenciado pela Vogue e outras revistas de moda que apresentavam um conteúdo visual marcante. Ao estudar suas fotos descobri que na criação de uma imagem com forte impacto visual e emocional, o mais importante é eliminar tudo o que não seja essencial para a foto. 

Em um fim de semana recente, enquanto estava sentado no meu estande de exposição num festival regional de arte, como não havia muito por fazer no momento, comecei a examinar minhas próprias fotos, tentando descobrir o que mais gostava nelas. Concluí que aprendi bem as lições das revistas de moda: não havia uma única coisa em qualquer uma das que eu estava expondo, que não fosse essencial para aquela foto. Um dos segredos da boa fotografia é eliminar tudo o que não seja essencial. 

Meu amigo Dan lembrou-me por e-mail que esta é uma grande metáfora para a vida. Na busca do sucesso, uma das chaves é determinar o que é importante e eliminar o resto. Pelo menos deveríamos nos esforçar por empurrar os elementos de menor importância para o cenário de fundo.

Fotógrafos têm vantagem por serem hábeis em nublar ou escurecer o pano de fundo, de modo a que ele não venha a competir com o tema da foto. Na vida cotidiana, contudo, isso requer muito esforço. A distinção entre o que é verdadeiramente importante e as coisas de menor relevância nem sempre é fácil de se estabelecer. Por isso, devemos tornar como prática, estabelecer e rever nossas prioridades e valores.

Por exemplo, há empresas que acham importante o serviço de atendimento ao cliente, raciocinando que uma maneira de ganhar negócios — e retê-los — é tratar os clientes melhor que os concorrentes, fazendo o que é certo, mesmo que isso custe a venda ou corte os lucros.

Se seu casamento e sua família são importantes, isso vai influenciar a forma como você realiza seu trabalho, o que você faz, quanto tempo você dedica a ele e que riscos você está disposto a correr para obter sucesso profissional. 

E se, como profissional ou homem de negócios, viver sua fé de modo coerente tem importância para você, isso influenciará suas decisões e ações. É o que diz Colossenses 3.23, e que define o que deve ser de maior importância para os seguidores de Jesus no ambiente de trabalho: “Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens. É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo.”

Vamos para o trabalho para ganhar nosso sustento, para operar nosso negócio de acordo com padrões legais e éticos elevados e obtermos lucro, mas acima de tudo — a Bíblia nos ensina — estamos no mercado para servir e representar Deus.

E sobre a preocupação de ter nossas necessidades diárias satisfeitas, Jesus afirmou: “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a Sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas” (Mateus 6.33).

Por Jim Mathis - Próxima semana tem mais!


Postar um comentário