sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Somar competências

Da união do empreendedor com o gestor surge um novo perfil de liderança

Ao longo dos meus vários anos atuando em gestão de pessoas, e observando os diferentes estilos de liderança, tive um insight do que, na minha modesta maneira de ver, deveria ser o líder ideal para uma empresa.

Inicialmente, comecei a descrever o que eu acho muito crítico, especialmente nos dias de hoje, o papel do líder como empreendedor. As empresas precisam sobreviver, crescer e se perpetuar. Todo empresário deseja isso. Para que esse sonho seja possível, se faz necessário desenvolver lideranças que tenham a capacidade de coordenar e integrar forças individuais e coletivas para alcançar os objetivos de negócios. Essa descrição sumarizada nos remete a uma definição de indivíduo com alta capacidade de empreender um negócio. Esse termo já foi até usado no passado com o nome de intrepeneur, que seria o empreendedor dentro das organizações. Qual seria o perfil desse líder empreendedor? Vejamos, então:


> Ter disposição de aceitar o desafio de trabalhar de forma intensa e sob pressão;
> Ter vontade de crescer por meio do desempenho;
> Ter disponibilidade de integrar uma equipe diversificada e dotada;
> Ter iniciativa para enfrentar o desconhecido e produzir soluções, visando fazer acontecer;
> Ter habilidade para discernir e compatibilizar os vários interesses de clientes, líderes, acionistas;
> Ter a sensação de que estão sendo compensados da forma devida emocionalmente, e em termos profissionais e econômicos por seu resultado e dedicação.

De fato, esse tipo de liderança apresenta certas características muito particulares que o fazem um líder mais voltado para o negócio ou para o empreendimento. Esse líder tem um foco muito mais aguçado com relação ao negócio, bem como em relação à formação de pessoas para poder ajudá-lo no empreendimento. Nesse sentido, poderíamos dizer que:

> O líder empreendedor deve dominar seu negócio e satisfazer simultaneamente cliente e acionista;
> O desenvolvimento é indissociável do empreendimento;
> A organização como um todo deve sempre focar os resultados;
> O ser humano tem direito a compartilhar os resultados que gera;
> O líder deve estar sempre pronto para reconhecer e corrigir os seus erros;
> Tem de focar o seu negócio baseado na satisfação do cliente e no bem-estar da comunidade;
> Todos são responsáveis por promover uma organização sustentável no sentido mais amplo.

Em resumo, poderíamos dizer que o líder empreendedor cria estratégias de negócios, organiza os recursos e busca os resultados com alto nível de disciplina e dedicação. Deve ser um profissional altamente focado na estratégia e no negócio, para tudo isso fazer sentido. Entretanto, quando olhamos para as organizações, notamos que só esse perfil de liderança não é suficiente para fazer uma companhia ser bem-sucedida e sustentável no médio e longo prazo.

Essa reflexão me fez concluir que estava faltando para o líder empreendedor ser também um bom líder gestor. Não basta esse profissional ter uma alta competência para empreender se ele também não tiver uma alta competência como "gestor" do empreendimento. Então, vejamos algumas características desse líder gestor. Ele tem a capacidade de transformar a estratégia do negócio em ações práticas, planejando as etapas a serem implementadas, gerenciando a execução dos trabalhos a serem realizados por meio das pessoas. Ou seja, ele tem a capacidade de organizar as ações e os recursos para que a execução da estratégia seja bem feita. Existem muitas literaturas de management que retratam empresas que fracassaram nos seus negócios, embora tivessem uma excelente estratégia - o que aconteceu a elas foi que não souberam executá-las (as estratégias) adequadamente.

O que caracteriza o perfil do líder gestor e a sua capacidade de traduzir as estratégias de negócios em ações práticas e concretas são algumas características necessárias que ele deve possuir e exercer:


> Saber traduzir as estratégias de negócios em planos de ação;
> Dar o direcionamento para a equipe em busca dos objetivos definidos;
> Promover o alinhamento das pessoas e das equipes em prol de uma meta
comum;
> Desenvolver pessoas e equipes nas competências necessárias;
> Estimular o desempenho e apoiar os times a utilizarem o máximo do seu potencial;
> Agir com integridade e ética no cumprimento dos objetivos.

Ora, se pensarmos um pouco nos desafios que as empresas enfrentam nos dias de hoje, chegaremos à conclusão de que o tipo ideal de liderança é aquele que junta o perfil do empreendedor com o do gestor. Isso explica o termo: líder
empreengestor. Ou seja, uma combinação desses dois perfis.

Poderíamos, assim, definir esse profissional da seguinte forma:


> O líder empreengestor tem alta capacidade de focar os objetivos de médio e longo prazo, combinados com as ações e execuções de curto prazo.

Do ponto de vista de organização e planejamento, esse líder:

> Busca acompanhar o trabalho das equipes e apoiá-las no atingimento dos objetivos;
> Disponibiliza recursos para assegurar a execução dos planos conforme os objetivos definidos;
> Desenvolve um bom balanço entre a gestão do negócio/empreendimento e a gestão de pessoas.

Em resumo, ele desenvolve nas organizações uma cultura e um ambiente de colaboração e cooperação. Como líder empreendedor, identifica necessidades e sonhos de pessoas e grupos. Sua ação transforma a visão da empresa em uma ideia a ser perseguida, desejada, querida por aqueles que nela atuam. É um estrategista por excelência. Como líder gestor, cria formas de implementação da visão, de como o desejado pode ser alcançado. Desenvolve os planos, as etapas, metas e envolve as pessoas na execução. Como líder
empreengestor, combina os dois perfis e cria no seu time a paixão por resultado.

E celebra com todos.

*Felipe Westin é - diretor da Westin Desenvolvimento e Gestão de Pessoas
Matéria publicada no Portal da Revista Gestão Melhor de Pessoas – Edição Novembro de 2012

Postar um comentário